• Sistema de flotação do Rio Pinheiros

    O projeto de flotação do Rio Pinheiros foi concebido para minimizar a poluição do rio e possibilitar o seu bombeamento para a represa Billings, ampliando a quantidade de água disponível para abastecimento e a geração de energia elétrica na usina de Henry Borden, em Cubatão.

    A tecnologia da flotação é um sistema de tratamento de água que, através de processos físico-químicos, agrupa as partículas sólidas e faz com que fiquem concentradas na superfície, facilitando sua retirada. Essa técnica é utilizada nos sistemas de tratamento de esgotos e água. No Brasil, é a primeira vez que se faz o processo em um rio de grande porte como parte do processo de despoluição de águas destinadas ao abastecimento público. O processo todo envolve a utilização de três estações construídas no leito do rio (Retiro, Traição e Pedreira) e mais 4 pequenas estações a serem implantadas nos principais afluentes do canal (Jaguaré, Pirajussara, Morro do S e Zavuvus).

    A solução é aparentemente adequada, mas os testes realizados não garantiram que a água tenha qualidade suficiente para o abastecimento humano. O projeto foi suspenso em 2009. A Billings (que receberia a água tratada pela flotação) contribui com um terço da água retirada da Guarapiranga. A Guarapiranga abastece quase 4 milhões de pessoas, a maioria moradores das porções Sul e Sudoeste da capital. Para não colocar em risco a população, novos testes e estudos foram solicitados pelo Ministério Público.

    Importante lembrar que a flotação é apenas parte do processo de despoluição, ou seja, ela ajuda a diminuir a poluição do rio e pode acelerar a sua recuperação, mas não ataca as fontes da poluição. Por isso, não deve ser pensada como solução isolada. Para limpar definitivamente os rios de São Paulo é necessário tratar o esgoto e diminuir a poluição gerada nas ruas.

    (2 comentários)

    2 respostas a Sistema de flotação do Rio Pinheiros

    1. Elisete Novaes disse:

      Esta água também é demandada para abastecimento na Baixada Santista

    2. Pingback: Rio Pinheiros Vivo



    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    *


categorias
tags