Análise da qualidade da água do Rio Pinheiros

capa_qualidade
Para que se entenda adequadamente o comportamento da qualidade das águas de um corpo hídrico é preciso avaliar uma série histórica, ou seja, é preciso analisar e comparar o conjunto dos resultados que tenham sido obtidos em uma sequência de análises ao longo de um tempo suficiente para permitir captar a dinâmica da sazonalidade que é própria das águas.

A qualidade das águas urbanas varia em função da vazão de cada corpo d’água, ou seja, da quantidade de água disponível para a diluição e afastamento dos poluentes, e, mais ainda, para que se restaure a capacidade de autodepuração que é própria da natureza. A poluição, por seu lado, é determinada por muito do que ocorre no território que drena para esse corpo d’água, e a avaliação da composição dos poluentes permite entender melhor quais as causas da degradação e como enfrentá-la.

A Águas Claras do Rio Pinheiros, com este estudo, visa desenvolver e oferecer para conhecimento público uma melhor compreensão a respeito do Rio Pinheiros e das suas condições de degradação. Isso é feito a partir da análise das seis campanhas de monitoramento que a CETESB realizou em 2013, com amostragens realizadas nos meses de janeiro, março, maio, julho, setembro e novembro. A realização deste estudo foi viabilizada a partir de apoio financeiro concedido pelo Banco Santander.

Nele, temos como objetivo apoiar a definição e a implementação de estratégias de despoluição e de revitalização das águas da Bacia do Rio Pinheiros. O desafio é imenso e exige novos olhares e muita inovação. É fundamental que se identifiquem os padrões de poluição, suas origens e características, pois são informações e análises preciosas para que se façam as melhores escolhas de tecnologias, de modelos institucionais, financeiros e urbanísticos.

Barra Mantenedores 2017